Pedaços de Mim

 

Pedaços de Vida, Paridos, Sentidos, Vividos



Meu Diário
12/02/2020 17h32
SERÁ?

Eu há muito estou sózinha, tenho conversado e tentado conhecer uma pessoa que me faça ter vontade e segurança de de mudar meu estado atual.

Sinto que isso é muito dificil para uma pessoa como eu, acostumada a solidão e muito complicada para pessoas mediocres, sem vontade de se doar.

Sempre fui, desde meu começo profissional, acostumada a mandar, muito exigente e perfeccionista no que fazia.

Quando ainda menina, muito sonhadora e romantica, viajava em mim, pensando no principe encantado, e rabiscava, versos, poemas, textos fantasioso

sobre este principe.

Eu sempre viajava em sonhos                         e pensando que todos os meus sonhos seriam realizados, foi que cursei filosofia, ciencias e letras, (porque ganhei uma bolsa  para esta faculdade) , eu seria escritora, tudo bem está tudo certo, pensei...

Mas a relidade é bem diferente, do que sonhamos. Alguem que sempre me aconselhava para o bem, falou uma verdade que doeu muito naquela hora, mas que me fez refletir e aceitar, fui eu  cursar administração de empresas, que me deu mais tarde condições de manter minha familia, de eu mais 4 filhos abandonados por alguém inconsequente e relapso, que não vem ao caso agora.

Criei meus filhos, trabalhei muito, descansei pouco, mas nada diminuia minha garra e persistencia, eu tinha em mente que os trouxe ao mundo, teria que encaminhá-los e dar condição de terem uma vida digna.

Tudo isso me fez viver pouco para mim, tentei uma vida conjugal e outra mas devido a minha autoridae, talvez, ou ao pouco determinismo da outra pessoa, nada dava certo, era meus filhos, minha vida, minha condição profissional,        meus ganhos, faziam o lado amoroso não fluir, muitos problemas, que eram só meus, muitas horas de lazer que eram de todos menos minhas, momentos bons eram para todos, momentos maus eram só meus, resultado?

Eu resolvi que vida amorosa, não seria mais para mim, tornei-me uma pessoa solitária, sendo perfeccionista, muito critica, nenhum homem servia para meu companheiro, só encontrava defeitos superando qualidades, eu tinha problemas com relacionamento, jamais conseguiria manter um relacionamento se não aceitasse que todos temos defeitos, assim levei minha vida, cumpri minhas obrigações de mãe, de amiga, de ajudadora de muitos, de empresária, de autoritária, menos de companheira  e parceira de vida e de cama.

Os filhos cresceram,, cada um tomou seu rumo, coisa natural, trabalho, casa, familia, onde a mãe foi apenas a que teve obrigação de levá-los até este momento, dali para frente já não faz mais o papel principal na vida de cada um, ela é a que menos sabe, a que menos pode opinar, a que não serve para aconselhar, tornou-se apenas a mãe, que vez ou outra vão visitar, uns mais amorosos, outros mais distantes, pois não querem mãe dando pitaco em sua casa, jamais.

É o ciclo da vida, a mudança natural de tudo, cada um cumpre seu papel e depois fica nos bastidores aplaudindo. Se para eles a vida sorri, tudo dá certo, viva... se algo dá errado, aí novamente lembram, tenho mãe, ela vai me socorrer, assim foi, assim é,  assim sempre será por toda a eternidade.

Como aconteceu comigo, vai acontecer com eles, com seus filhos e com  todos

Mas como somos seres pensantes, com sentimentos, com necessidades e com desejos, a solidão nos cobra uma atitude, passei  muito tempo sozinha,  em meu caminho passaram pessoas de todo tipo, mas ninguem para ser meu companheiro, tornei-me a eterna solitária por opção, mas a solidão batia a minha porta a todo instante cobrando, meus sonhos e romantismo me cobravam, eu precisava tirar aqueles sonhos do papel, tornar realidade o que brotava de mim em forma de textos, de fantasias, de romantismo. 

Pode uma pessoa tão romantica, escolher viver sozinha, abdicar do amor, ainda além disso dizer que procurava um grande amor?

Sim pode, eu passei por isso, eu chorei por isso, eu busquei muio isso 

eu vivi um grande amor, mas que, tambem me fez ficar pior em meus argumentos.

A única coisa que nunca consegui afirmar é que o amor não existe, eu sabia que existia, eu senti isso, eu chorei por isso, eu amava de alguma forma a muitas pessoas, eu sabia que existia varias formas de amor, escrevia sobre amor fraterno, amor vulcanico, amor  enrustido, estranhos, amor bandido,  e como falei  decifrando o amor eu escrevi

Tentando entender os conceitos diversos
Eu também não saberia  definir como
Nem sei se amo como em meus versos
Posso apenas dizer com certeza:

"EU AMO"

Sim de alguma forma eu sempre amei, sempre procurei o amor, sempre lutei por algum amor, então cheguei a conclusão que preciso de um novo amor, um amor que eu me submeta, um amor companheiro ,  amigo,  que me aceite como sou e que eu aceite como vier, sem querer mudar alguém, quem ama aceita  como a pessoa é, sem tentar mudar. 

Então agora eu creio que estou pronta para amar novamente como eu sempre tentei amar alguém, não olhando para o exterior, para pequenos defeitos,

nem para imperfeições,

alguem companheiro que queira também amar da mesma forma.

Hoje converso com alguem e consigo ser eu, consigo sentir algo diferente, pode não ser o amor que procuro, mas pode ser, estou pronta, e pergunto

esta pessoa pode ser quem procuro, Será?

 


Publicado por JANINHAMELL em 12/02/2020 às 17h32


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras